segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O VINGADOR

Houve um tempo em que os heróis mascarados do faroeste eram os mais populares nas bancas, não só nos EUA mas no Brasil também, onde personagens como Zorro/Lone Ranger, Cavaleiro Negro/Black Rider e Durango Kid eram os títulos mais vendidos, e suas aventuras, as mais apreciadas pelos leitores. Por todo o mundo surgiram personagens de Quadrinhos baseados nos grandes sucessos estadunidenses, e no Brasil não foi diferente, sendo que um deles merece nossa apreciação neste fanzine, pela inesperada repercussão que teve no passado: O Vingador. Lançado pela Editora Outubro em 1961, criação de Hélio Porto e ilustrado inicialmente por Walmir Amaral de Oliveira (capa do primeiro número desenhada por Jayme Cortez), O Vingador teve 40 números, além de almanaques e histórias publicadas em gibis de outros personagens. A Editora Outubro publicou-o até 1966, sendo que, a partir de 1972, foi relançado pela Editora Taíka (que na verdade, republicou as antigas aventuras do herói), durando mais 20 números e alguns almanaques.


Além de Hélio Porto, O Vingador teve histórias escritas por Helena Fonseca e Gedeone Malagola; alguns de seus ilustradores também foram responsáveis pelos roteiros, como por exemplo Walmir Amaral, Osvaldo Talo e Miguel Lima. Outros que desenharam o herói mascarado foram Ernesto Capobianco, Juarez Odilon, Edmundo Ridrigues, Nico Rosso, Lyrio Aragão, Fernando de Lisboa e José Delbó (o argentino que posteriormente trabalharia nos EUA desenhando famosos personagens dos Quadrinhos, tais como Turok e Lone Ranger para a Gold Key, bem como a Mulher Maravilha/Wonder Woman e o Superman para a DC Comics). Além de Jayme Cortez, Sérgio Lima e Rodolfo Zalla também produziram capas para O Vingador.

Como era baseado em personagens dos comics de faroeste norte-americano, a origem do Vingador não poderia fugir muito disso: Nelson Coston é um jovem que tem o pai covardemente assassinado e que, após conseguir sua vingança, torna-se cavaleiro errante das pradarias. Certo dia, salva um velhinho de uma baita enrascada - e o tal velhinho era ninguém menos do que o Vingador original que, sentindo o peso dos anos, repassa sua máscara para Nelson. Diferente do Lone Ranger que não tira a máscara nem para dormir, mas semelhante ao Cavaleiro Negro e ao Durango Kid, Nelson torna-se a identidade secreta do renovado Vingador. A respeito daquele “velhinho” que foi salvo por Nelson, lembremo-nos de que antes deste Vingador de Hélio Porto & Valmir Amaral, a HQB já registrara, duas décadas antes, outro caubói mascarado homônimo, com histórias escritas por Péricles do Amaral (o memorável autor do Capitão Atlas) e desenhado por Fernando Dias da Silva - e tudo indica que talvez esta tenha sido a referência para a origem do Vingador da Editora Continental. Posteriormente, nos primeiros anos da década de 80 do século passado, outro Vingador mascarado do velho oeste cavalgou nas páginas dos gibis, desta feita para a editora paranaense Grafipar/Bico de Pena, em histórias criadas por Franco de Rosa.

7 comentários:

  1. Olá. É a primeira vez que visito sua página. Muito rica. Parabéns!
    Além do cumprimento, escrevo, para convidá-lo a participar duma votação relacionada aos 5 maiores nomes da HQ brasileira. É muito simples votar. Basta deixar um comentário com seus 5 escolhidos no blog do fórum de quadrinhos do estado do Ceará: http://www.fqce.blogspot.com/2011/11/normal-0-21-false-false-false.html
    É isso. Mais uma vez, parabéns pelo trabalho de resgate.

    ResponderExcluir
  2. Olá Amigo Salles,
    Apesar de não me manifestar, estou sempre acompanhando o seu blog.
    E é maravilhoso ver seus artigos, relembrando tantos heróis, tantas revistas, tantas editoras e tantos artistas que vivenciamos em nossa infância.
    É uma pena não ter guadado essas revistas que seriam hoje um precioso registro da história dos quadrinhos no Brasil.
    Foram muitas etapas vivdas pena Nona Arte em nosso país, as revistas de cowvoy dos anos 50, as de terror dos anos 50 e 60, os super herois brasileiros das décadas de 60 e 70 até o inicio da decadência em que se encontra essa nobre arte em nosso país.
    Como colecionador que sou (a gente nunca perde a mania) salvei todas os seus artigos com muito carinho e fico esperando que mais coisa boa bem pesquisada e bem escrita ainda venha por aí.
    Parabéns pelo magnifico trabalho e receba o meu mais sincero OBRIGADO!!!
    Aproveito a oportunidade para convida-lo a conhecer o meu blog que tem como tema a obra de Lee Falk e mais especificamente O Fantasma, um herói da era do Ouro, e deixar nos comentarios sua opinião.
    meu endereço: roberto.sabino@gmail.com

    meu blog: www.fantasmabrasil.blogspot.com

    Grande abraço e aguardo notícias suas
    Sabino

    ResponderExcluir
  3. Bons tempos! Belo post muito rico em informações!

    ResponderExcluir
  4. Saudações, vim aqui a convite do amigo Juvêncio Veloso. Gostei do que vi, vc está de parabéns pela divulgação destas lembranças.
    No momento estou com dores no braço devido a epicondilite adquirida no período em que trampei na universidade, então minha visita será rápida, mas comprometo-me a retornar para apreciar seu blog com calma.
    Cordial abraço e paz.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns por este teu trabalho de divulgação e reavivamento de memórias passadas. Devo a minha velocidade em leitura, aos gibis (HQs) pois o meu pai me proibia de os ler e eu fazia às escondidas....

    ResponderExcluir
  6. eu gostei muito de héroi ,a muitos anos atrás ,comprei seus gibis com o tempo se perdeu .

    ResponderExcluir
  7. Valeu, tenho 70 anos, sou curitibano, colecionador de quadrinhos ( gibis) desde meus 18 anos, tenho dois gibis "O Vingador" daqui, Prato da casa da Edit. Grafipar.

    ResponderExcluir